Assimetrias Cranianas

Conheça tudo sobre Assimetrias Cranianas

CABEÇA TORTA OU AMASSADA NO BEBÊ? ENTENDA O QUE SÃO AS ASSIMETRIAS CRANIANAS POSICIONAIS

O que é uma assimetria craniana posicional?

Assimetria craniana é o nome médico para uma condição mais conhecida popularmente por “cabeça torta” ou “cabeça amassada”. Na verdade, dizemos que um bebê ou uma criança tem uma assimetria craniana posicional quando o formato da sua cabecinha está de alguma forma anormal, podendo estar mais achatado, amassado, alongado ou torto, mas não há qualquer anormalidade na fusão das suturas cranianas.

 

Por que um bebê desenvolve assimetria craniana posicional?

Desde a publicação em 1992 da recomendação de colocar as crianças para dormir de costas (de barriga para cima), as taxas de morte súbita infantil caíram significativamente. Entretanto, simultaneamente, os relatos de assimetrias cranianas em crianças de apenas algumas semanas de idade aumentaram nesse período, apresentando-se clinicamente como um achatamento de um dos lados ou dos dois lados da parte posterior da cabeça.

Na prática as assimetrias cranianas se desenvolvem porque o bebê fica praticamente o tempo todo deitado e sem muita mobilidade na cabeça, especialmente nos primeiros meses de vida. O apoio constante em um ponto da cabeça pode levar ao seu “achatamento”. Por este motivo, a taxa de ocorrência de deformidades cranianas diminui à medida que as crianças crescem. Na prática clínica de rotina, as deformidades do crânio - especialmente nos primeiros 6 meses de vida - muitas vezes levantam questões sobre diagnósticos diferenciais e opções de tratamento.

 

O bebê que nasce com a cabeça torta melhora depois?

Isso depende. As deformidades posicionais do crânio devem ser diferenciadas das deformidades intrauterinas ou periparto, que geralmente reduzem espontaneamente e rapidamente. Por essa razão, para dizermos que o bebê tem uma assimetria posicional verdadeira somente a partir da 6ª semana de vida. Vale ressaltar que as deformidades perinatais do crânio podem se manter ou resolver sozinhas, e, caso se mantenham, devem ser tratadas como assimetrias posicionais.

 

Quais são os tipos de assimetrias cranianas posicionais?

Veja abaixo os 4 tipos de assimetrias posicionais mais frequentes:

 

1- Plagiocefalia posicional

Achatamento de um dos lados da parte de trás da cabeça – a cabecinha do bebê fica torta ou amassada. Um olho ou orelha pode parecer mais alto/mais para frente do que o outro (Olhos e ouvidos podem estar desalinhados). Dependendo do grau de assimetria a testa se projeta ligeiramente de um lado.

 

2- Braquicefalia simétrica posicional

A braquicefalia simétrica geralmente aparece como achatamento completo na parte de trás da cabeça. Pode haver um aumento da testa do bebê e olhando de frente as laterais podem aparecer de forma mais proeminente. Em alguns casos a altura da cabeça do bebê pode parecer mais alta que o normal.

 

3- Braquicefalia assimétrica posicional

É uma mistura das características da braquicefalia com a plagiocefalia. A braquicefalia assimétrica geralmente aparece como achatamento na parte de trás da cabeça, porém além de mais achatada na parte posterior a cabeça também fica "torta".

 

4- Escafocefalia posicional

É tipicamente observada como uma forma longa e estreita da cabeça. Comumente visto em bebês prematuros que passam algum tempo em uma UTI ou descansam consistentemente em ambos os lados da cabeça.

 

Quais os fatores de risco para assimetrias cranianas posicionais?

Pré-natais: sexo masculino, primeiro filho, posição anormal do feto no útero

Perinatais: prematuridade, parto com uso de fórceps, bebê com peso alto ao nascer

Pós-natais: posição supina (barriga para cima), torcicolo congênito, atraso do desenvolvimento psicomotor, posição preferencial para um lado.

 

As assimetrias cranianas melhoram sozinhas? Como saber se eu devo procurar um especialista?

Em alguns casos há sim melhora espontânea das assimetrias posicionais, muitas vezes com intervenções simples de reposicionamento da criança por parte dos pais.

Em geral o pediatra é o primeiro médico a avaliar o bebê com assimetria craniana, e costuma referenciar ao neurocirurgião especialista se:

1- Suspeitar de algum diagnóstico diferencial da assimetria – Exemplo: cranioestenose

2- Após orientações aos pais verificar que não está havendo melhora significativa, ou a assimetria craniana está piorando progressivamente.

3- Caso haja torcicolo congênita.

4- Caso de início a assimetria craniana já seja grave.

Vale ressaltar que quanto antes o tratamento específico se iniciar para correção da assimetria melhor, preferencialmente antes dos 6 meses de vida.

 

É necessário fazer algum exame para diagnosticar uma assimetria craniana?

 

Habitualmente não. O neurocirurgião habituado a tratar esta condição examina o bebê e realiza diversas medidas da cabeça da criança. De acordo com o exame físico e com as escalas internacionais (como a escala de assimetria craniana do “Children’s Healthcare of Atlanta”) podemos classificar e graduar as assimetrias e quantificar sua gravidade, propondo as terapias mais adequadas.

Caso haja suspeita de alguma outra condição de diagnóstico diferencial com as assimetrias cranianas (cranioestenose por exemplo) o neurocirurgião pode solicitar alguns exames complementares, como radiografias, ultrassons específicos ou até mesmo uma tomografia do crânio.

 

 

Qual o tratamento das assimetrias cranianas em bebês? Quando iniciar o tratamento?

O tratamento proposto depende basicamente de 3 fatores: a idade do bebê, a gravidade da assimetria e a resposta que o bebê está tendo as intervenções (reposicionamento, fisioterapia, etc.).

Pode-se recomendar desde fisioterapia até a colocação de órteses cranianas (os conhecidos “capacetes”). O tratamento deve ser iniciado o mais cedo possível, sendo melhor os resultados quando o tratamento é iniciado com menos de 6 meses de vida. Após 1 ano de vida os resultados podem não ser mais tão satisfatórios.

 

Como saber se a assimetria craniana posicional é grave? Nesses casos o que fazer?

A gravidade da assimetria é determinada por escalas e índices avaliados pelo neurocirurgião pediátrico durante a consulta a partir do exame físico e das medidas retiradas da cabeça da criança.

Para maior parte das assimetrias cranianas graves é indicada a colocação de órtese craniana (“capacetinho”), pois sabe-se que nestes casos a assimetria dificilmente vai se reverter apenas com medidas de reposicionamento e fisioterapia. O capacete permite “apoiar” as áreas certas e o crescimento de outras partes da cabeça compensa o formato “torto” em que ela se encontrava. Lembramos que para as assimetrias posicionais não está indicado tratamento cirúrgico.

 

Quais as consequências de uma assimetria craniana posicional não tratada?

Além das óbvias consequências estéticas, como “cabeça torta”, desalinhamento das orelhas, assimetrias na face, etc., alguns estudos mostram que crianças com severas assimetrias podem ter algumas alterações funcionais. Estas alterações estão relacionadas principalmente com alterações de má oclusão dentária e articulação temporomandibular.

Entretanto, a extensão em que as assimetrias posicionais afetam o desenvolvimento da mandíbula/maxila, dentes e possíveis más oclusões ainda não foi estudada em um grau satisfatório.

Vale ressaltar ainda que a criança pode vir a ter problemas psicológicos decorrentes de “bullying” se a assimetria craniana for muito marcante. Os pais devem estar atentos e buscar acompanhamento especializado psicológico caso seja necessário. Quanto a retardo no desenvolvimento, não há até o momento qualquer indicação que as assimetrias cranianas posicionais possam levar a qualquer tipo de atraso no aprendizado ou problema cognitivo.

 

Como é feito o uso do capacete (órtese craniana)? Quando ele está indicado?

O capacete não é necessário para tratar todas as assimetrias cranianas posicionais, o neurocirurgião pediátrico deve avaliar caso a caso para determinar se aquele bebê precisa ou não do capacete para corrigir sua assimetria craniana.

Quando ele está bem indicado, a criança deve usar o capacete por um período de 23h durante o dia. A duração do tratamento em meses depende da idade de início do tratamento, da gravidade e do tipo de assimetria, mas habitualmente não costuma ser menor que 3 meses nem maior que 6 meses. O capacete é periodicamente ajustado em intervalos que variam de a cada 2, 3 ou 4 semanas. Em geral o bebê se adapta muito bem, e em cerca de 15 dias está completamente confortável com uso do “capacete”.

 

Até que idade o capacete pode ser colocado?

Em tese o capacete não tem efeito significativo após os 2 anos de idade. Idealmente deve ser colocado no primeiro ano de vida.

 

 

 

Quando procurar um neurocirurgião?

O neurocirurgião pediátrico pode auxiliar a família com orientações para tratamento conservador da assimetria craniana e propor intervenções como o “capacete” para o tratamento da maneira correta sempre que for necessário.

Sempre que houver suspeita de alguma doença associada, como a cranioestenose, o cirurgião deve obrigatoriamente avaliar o paciente e propor exames complementares para o diagnóstico.

Se você deseja agendar uma consulta com a Dra. Raquel clique aqui.

* Esse texto foi produzido e editado por Dra Raquel Zorzi - CRM 142761 - RQE 56460.
Agende sua consulta agora!
O conteúdo deste site é de caráter informativo e produzido e editado pela Dra Raquel Zorzi CRM 142761 - Zorzi Servicos Neurocirurgicos Eireli - Epp. Não nos responsabilizamos por decisões médicas ou de familiares baseadas no conteúdo deste site, em caso de dúvida consulte seu médico. Todos os direitos reservados. Proibido a reprodução total ou parcial
Natus Tecnologia